sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Relatório, Maria Proença -11G e Inês 11B

Górgias, escrito em 380 a.c Sócrates -Vou expressar-me com mais clareza. Depois que concordámos, eu e tu, que há algo bom e também algo agradável, e que o agradável é diferente do bem, e que para a aquisição de cada um deles há uma espécie de exercício e de preparação: de uma parte a caça ao agradável, de outra, ao bem... Mas, a esse respeito, declara primeiro se estás ou não de acordo comigo. Estás?
Cálicles — Estou.
Sócrates — Então prossigamos, e começa por declarar-me se o que eu disse há pouco a estes aqui, te parece acertado, O que lhes disse foi que para mim a culinária não é arte, porém simples rotina, o que não se dá com a medicina, que é arte, firmado em que ela só trata da doença depois de estudar a sua natureza e conhecer a maneira por que actua, e no facto de poder apresentar a razão de ser de tudo isso, a medicina, enquanto a outra, que só visa o prazer, procede sem arte na prossecução de sua finalidade, e não examina nem a natureza do prazer nem a sua causa, procede pois de maneira inteiramente irracional, por assim dizer, e sem calcular coisa alguma, só alcançando pela prática e pela rotina uma noção vaga do que é costume fazer-se, com o que, precisamente, proporciona prazer. Inicialmente, desafio-te a considerar se há fundamento no que eu disse e se não existirão processos idênticos com relação à alma, alguns, de facto, baseados em arte e preocupados em promover os mais elevados interesses da alma, outros negligenciando de todo esses interesses e só cuidando, como no caso anterior,do prazer da alma e de que modo possa ser alcançado, mas sem distinguir entre os prazeres bons e os maus, com o que não se preocupam no mínimo, pois têm em vista apenas a produção do prazer, pouco importando se é para o bem ou para o mal. A meu ver, Cálicles, existem esses processos, que não sei definir a não ser como adulação, tanto em relação ao corpo como à alma, ou onde quer que sejam empregados com vistas à produção do prazer, sem considerarem se é em proveito ou detrimento próprio. A este respeito, como te comportas? estás de acordo com esta maneira de pensar ou rejeita-la?
Cálicles — Não, não rejeito; pelo contrário: concordo, não só para ser agradável a Górgias, como para que chegues ao fim de tua demonstração.
Sócrates — E isto é válido só para uma alma, não o sendo para duas ou para muitas?
Cálicles — Não; vale também para duas e para muitas.
Sócrates — Sendo assim, é possível o desejo de agradar a um grande número de almas,
sem saber dos seus verdadeiros interesses.
Sócrates — E agora, poderás dizer-me quais são as ocupações que produzem
esse efeito?
(...)
Sócrates — Muito bem. E com relação à retórica que se dirige ao povo ateniense e ao de outras cidades de homens livres, que diremos que seja? És de parecer que os oradores falam sempre com a finalidade precípua do maior bem e que só têm em mira, com seus discursos, deixar virtuosos, quanto possível, os cidadãos? Ou, pelo contrário, só desejam agradar aos cidadãos e descuidam, no interesse próprio, dos interesses da comunidade, além de tratarem as multidões como a crianças, por só pensarem em lhes ser agradável, sem se preocuparem, no mínimo, se desse modo eles virão a ficar melhores ou piores?
Cálicles — Essa pergunta não é simples. Há oradores que dizem o que dizem no interesse dos cidadãos, e há outros como acabaste de descrever.
Sócrates — Isso basta-me. Se há, portanto, duas maneiras de falar ao povo, uma delas é adulação e oratória da pior espécie; a outra é algo belo, porque se preocupa com deixar boa quanto possível a alma dos cidadãos, esforçando-se para dizer o que é melhor, quer agrade
quer não agrade ao auditório. Porém nunca viste oratória dessa espécie; e se já encontraste algum orador com semelhantes características, por que não declaraste quem ele seja?
Cálicles — Não, por Zeus! Não conheço nenhum orador nessas condições, pelo menos entre os modernos.
Sócrates — Como assim? E entre os antigos, poderás citar algum de quem seja lícito afirmar que tivesse deixado melhores os atenienses, de ruins que eram antes, depois que começara a falar para o povo? Eu, pelo menos, não sei quem possa ser.

Platão, Górgias
1. Qual é o tópico que Platão ctitica na Retórica.Explique.

sábado, 25 de novembro de 2017

Tópicos para um ensaio.




Vermeer, Senhora escrevendo uma carta, 1670, Dublin




Elaboração de um ensaio sobre um tema problema.

1. Introdução: Apresentação do tema/ problema. Esclarecer a sua importância. Contextualizar no tempo.

2. Corpo argumentativo. Apresentar argumentos convincentes. Fundamentar e justificar as informações. Dar exemplos e retirar deles consequências para a tese que se quer defender. Prever e apresentar possíveis objeções, através de contraexemplos ou contra –argumentos.

Apresentar as premissas com ordem e simplicidade.

3. Conclusão: apresentar a síntese ou resultado do que foi anteriormente exposto e retirar uma tese principal.Esta tese principal expõe de forma sucinta o que se defende  como resposta ao problema. Também se apresentar a tese logo na introdução e depois expôr as razões. A conclusão como tese é indispensável para que o ensaio se conclua e feche.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Matriz para o 2ºTeste Sumativo - Novembro 2017


Competências
·                  Construir argumentos formais.
·                  Saber aplicar as regras de validade.
·                  Identificar as principais falácias formais.
·                  Distinguir demonstração e argumentação.
·                  Compreender as regras dos argumentos informais.
·                  Identificar argumentos indutivos, por analogia e de autoridade qualificada.
·                  Aplicar as condições de validade destes argumentos a argumentos dados.
·                  Compreender as principais falácias informais.
·                  Compreender o âmbito de estudo da retórica.
·                  Definir os dois usos da retórica persuasão e manipulação
·                  Explanar os elementos constitutivos do discurso persuasivo: Ethos, Pathos e Logos
            Elaborar um pequeno ensaio argumentativo.

Conteúdos
Racionalidade Argumentativa e Filosofia.
1. Argumentação e lógica formal

1.1. Formas de inferência válida.
Silogismos
Argumentos condicionais, Ponens e Tollens e disjuntivos
1.2. Principais falácias formais

2. Argumentação e retórica.

2.1 O domínio do discurso argumentativo e a procura de adesão do auditório. Demonstração e argumentação.
2.2. O discurso argumentativo: principais tipos de argumentos  informais.
2.2.1. Indução; Argumento de Autoridade; Analogia
2.2.2 Falácias que decorrem dos próprios argumentos informais.
2.3.Principais tipos de falácias informais.
2.3.1. Ad hominem; Ad misericordiam; Apelo à Ignorância; Apelo à Força; Falso Dilema e Petição de Princípio; Bola de Neve; Espantalho. 

3. Argumentação e Filosofia.
3.1. Persuasão e manipulação ou os dois usos da retórica. (opcional)
3.2. Elementos constitutivos da Retórica. (Ethos/Pathos, Logos)
Estrutura e cotações
Todas as questões são de resposta obrigatória

     Grupo I
50 Pontos
Questões de escolha múltipla

Grupo II
 120 Pontos
(Seis questões de resposta objetiva)

Grupo III

30 Pontos

Ensaio argumentativo



Critérios de correção



Domínio dos conceitos; Domínio dos conteúdos; Expressão clara e correta; Capacidade de aplicação dos conhecimentos adquiridos ; Originalidade e coerência nos argumentos apresentados; Capacidade de estabelecer relações oportunas entre os conteúdos; Objetividade e rigor; Técnica de análise de texto.


terça-feira, 7 de novembro de 2017

Retórica, propaganda e manipulação - Texto para ler e fotocopiar 11ºB e G

A manipulação conscienciosa e inteligente dos hábitos organizados e das opiniões é um elemento importante da sociedade democrática. Aqueles que manipulam este oculto mecanismo da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder regulador do nosso país.
Somos governados, as nossas mentes moldadas, os nossos gostos formados, as nossas ideias sugeridas, em grande medida por homens dos quais nunca ouvimos falar. Este é o resultado lógico do modo com a nossa democracia está organizada. Um vasto número de seres humanos têm de cooperar desta maneira se querem viver em conjunto como uma sociedade que funcione tranquilamente. (...)

Nos dias em que os reis eram reis, Luís XIV proferiu esta modesta observação: “O Estado sou eu”. Ele estava quase certo.
Mas os tempos mudaram. A máquina a vapor, a impressão em série, a escola pública, este trio da revolução industrial, retirou o poder aos reis e deu-o ao povo. O povo hoje conquista o poder que o rei perdeu. O poder económico tende a ser arrastado pelo poder político; a história da revolução industrial mostra como o poder passou do rei e da aristocracia para a burguesia. O sufrágio universal e a escola universal reforçaram esta tendência, e por fim mesmo a burguesia sente-se ameaçada pelas pessoas comuns. As massas prometem ser o próximo rei.
Hoje, contudo, surge uma reação. A minoria descobriu um poderoso auxiliar para influenciar as massas. Tornou-se então possível moldar a mentalidade das massas que se lançarão com o seu vigor recém-adquirido na direção desejada. Na actual estrutura da sociedade, esta prática é inevitável. Qualquer que seja a importância social que lhe é dada hoje, seja na política, finança, industria, agricultura, caridade, educação, ou noutros campos, deve ser feita com recurso à propaganda. A propaganda é o braço executor do governo invisível.
Supunha-se que a literacia universal educaria o homem comum a controlar o meio ambiente. Uma vez que podia ler e escrever poderia ter uma mentalidade apta a governar. Mas em vez de uma mentalidade, a literacia universal ofereceu-lhe carimbos, carimbos esses pintados com slogans publicitários, com editoriais, com dados científicos, com as trivialidades dos tablóides e as vulgaridades da história, mas pouco inocentes no que respeita à originalidade. Cada carimbo humano é duplicado de milhões de outros, de modo que quando estes milhões são expostos aos mesmos estímulos, recebem todos impressões idênticas. (…)O mecanismo pelo qual as ideias são disseminadas em larga escala é a propaganda, no sentido lato de um esforço organizado para espalhar uma convicção ou uma doutrina.
Estou consciente que a palavra propaganda provoca em muitas mentes uma conotação desagradável. De qualquer maneira, em qualquer circunstância, a propaganda ser boa ou má depende do mérito da causa advogada, e da correção da informação publicada.(…)

Trotter e Le Bon concluíram que a mentalidade de grupo não pensa no sentido estrito da palavra. Em vez de pensamentos tem impulsos, hábitos, e emoções. Ao elaborar o seu pensamento o primeiro impulso geralmente é seguir o exemplo de um líder em que se confia. Este é um dos princípios mais firmemente estabelecidos da psicologia de massas. Funciona a subida ou diminuição de prestígio de uma estância estival, ao provocar uma corrida a um banco, ou o pânico na cotação de ações, ao criar um “best-seller” ou u êxito de bilheteira. Mas quando o exemplo do líder não está à mão e a multidão tem de pensar por si, fá-lo com o recurso a clichés, palavras ou imagens que permanecem na globalidade de um grupo de ideias e experiências. Não há muitos anos atrás, era somente preciso etiquetar um candidato político com a palavra interesses para fazer com que milhões de pessoas votassem contra ele, porque qualquer coisa associada a “os interesses” parecia necessariamente corrupta. Recentemente a palavra Bolchevique tem desempenhado um serviço semelhante a pessoas que desejam assustar o público para o afastar de uma linha de ação.(…)
Os homens raramente se apercebem das verdadeiras razões que motivaram as suas ações. Um homem pode acreditar que compra um carro porque, depois de ter cuidadosamente estudado as características técnicas de todas as marcas no mercado, concluiu que aquele é o melhor. Quase de certeza que se está a enganar a si próprio. Compra-o, talvez, porque um amigo, cuja esperteza financeira respeita, comprou um na semana anterior; ou porque os seus vizinhos crêem que ele não é capaz de ter recursos para comprar um carro daquela categoria; ou porque vem com as cores do lar universitário de estudantes em que viveu.
Foram principalmente os psicólogos da escola de Freud que identificaram que muitos dos pensamentos e ações do homem são substitutos compensatórios dos desejos que são obrigados a reprimir. (…) Os desejos humanos são o vapor que faz a máquina social funcionar. Só compreendendo-os o propagandista pode controlar esse vasto mecanismo, ao mesmo tempo solto e unido, que é a sociedade moderna.

Edward Bernays (1928) Propaganda, Lisboa, Mareantes Editora, 2005 (p.p 19, 31,32,  64,66)


segunda-feira, 23 de outubro de 2017

MATRIZ DA PROVA DE FILOSOFIA OUTUBRO 2017




I
Conteúdos:




1.De que trata a Lógica.
2. Conceito/termo; Juízo/proposição e Raciocínio/argumento.
3.Verdade e validade.
4.Validade dedutiva e não dedutiva.
5.Validade formal e forma lógica.
6. Conversão de um argumento dedutivo à forma tradicional de um silogismo.
7. Argumentos com proposições categóricas, condicionais e disjuntivas.
8. Lógica Aristotélica:
9. Os termos como classes.
10. As Proposições categóricas: Forma padrão, classificação e negação.
11. O quadrado da oposição: forma de inferência imediata.
12. A distribuição dos termos nas proposições.
12. Silogismos.
a. Definição e estrutura padrão.
b. Validade, figura e modo.
c. Redução de um argumento em linguagem natural à forma padrão de um silogismo.
II
Competências:
1. Memorizar regras e definições.
2. Aplicar as regras de distribuição dos termos nas proposições.
3. Classificar correctamente proposições.
4. Reduzir à forma padrão proposições e argumentos
5. Compreender o modo de inferir uma proposição de outra.
6. Identificar figuras e modos de silogismos.
7. Determinar a validade dos silogismos.
8. Identificar as falácias dos silogismos inválidos.
9. Apreender a forma lógica de uma proposição e de um argumento.
10. Distinguir argumentos de não-argumentos.
11. Construir proposições e argumentos.
12. Converter um argumento à forma padrão do silogismo categórico.
 

III


Estrutura e Cotações:
Grupo 1
6 perguntas de resposta curta - 6x15 = 90
Grupo 2
10 Perguntas de escolha múltipla ou de verdadeiro falso - 10x5=50
Grupo 3
3 perguntas de construção - 3x20=60


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Exercícios com proposições.



1.       Se a proposição: “Todos os animais são seres vivos” for Verdadeira, o que sabemos acerca do valor de verdade da sua contrária, da sua contraditória e da sua subalterna. Justifique.

2. Converta as seguintes proposições na forma padrão e classifique-as:

  1. “Certas revoluções não são urgentes”
  2. “Os portugueses não são bárbaros”
  3. “Os fenómenos físicos obedecem a leis”
  4. “Há dirigentes desportivos corruptos.”
  5. “ Os vampiros são personagens de ficção.”


3. Determine a distribuição dos termos em cada uma das proposições.

4. Negue as seguintes proposições: A -  Não há ninguém inocente.” B -  Alguns actores trabalham com a imaginação”. Justifique. (15)

5. Partindo do pressuposto que a proposição B é verdadeira que podemos inferir acerca da verdade das suas opostas? Justifique.(15)