quinta-feira, 11 de abril de 2019

Correção da prova de Março 2019

 Bansky,



1. Compare a partir dos textos as perspetivas de Popper e Kuhn acerca da objetividade da ciência.

Para Kuhn não há verdadeiro progresso ou evolução porque os paradigmas que se vão sucedendo são incomensuráveis, isto é, não podem ser comparados porque apresentam diferentes formas de trabalhar, de selecionar fenómenos e novos princípios metafísicos.


Há, portanto, na evolução da ciência, cortes abruptos que correspondem a revoluções científicas, de mudanças de paradigma. As revoluções científicas sucedem-se a períodos criativos em que há teorias diferentes e a comunidade científica não forma consenso acerca de nenhuma delas. A escolha de uma teoria pela comunidade científica equivale a um acordo sobre a forma proposta de explicar os fenómenos. Uma vez acordado, ele torna-se exemplar e guia a comunidade para um desenvolvimento desta conceção dando origem a um novo paradigma e a uma nova fase de ciência normal. Todavia não há objetividade na escolha dos Paradigmas visto que este consenso é muitas vezes impossível e a escolha é influenciada por fatores externos aos critérios objetivos.
Segundo o texto:” a substituição de uma teoria científica dominante é como uma conversão religiosa, pois a comunidade científica não é um agente racional coletivo que, de uma maneira objetiva, pesa razões a favor e contra as teorias concorrentes”.

Para Popper, a ciência evolui no sentido de uma aproximação à verdade na medida em que se faz eliminando os erros das teorias e substituindo-as por outras mais abrangentes e consistentes com os factos observados. Visto que a ciência se faz num processo racional de conjeturas e refutações em que o papel da subjetividade tende a diminuir pois o cientista trabalha no sentido de fazer previsões arriscadas de modo a testar de os limites de cada teoria. Embora não haja qualquer espécie de certezas pois o progresso científico é um sistema em aberto e nenhuma teoria é verdadeira mas apenas provisoriamente corroborada. A substituição de uma teoria por outra é um processo de seleção em que as novas teoria aperfeiçoam as antigas na medida em que não cometem os mesmos erros da anterior, explicam os fenómenos das anteriores e ainda explicam novos fenómenos. Daí haver continuidade na evolução científica.
Segundo o texto: a comunidade científica avança com base numa argumentação sólida sustentada por indícios empíricos sólidos.

2. Aquilo que chamamos ciência, segundo a perspetiva do filósofo das ciências Thomas Kuhn, passa por períodos muito distintos. Descreva os períodos de evolução da ciência.

Para Kuhn as teorias científicas funcionam como paradigmas, isto é trazem consigo uma visão do mundo e certos métodos de trabalho, assim como princípios metodológicos e metafísicos. Os cientistas ao aceitarem uma teoria como um novo paradigma científico trabalham no sentido de ampliar os seus resultados e confirmar as suas previsões. A comunidade científica trabalha no âmbito dos paradigmas e não os põe em causa, mesmo que surjam anomalias. O processo de desenvolvimento da Ciência começa com a instituição de um Paradigma e o trabalho científico visa tornar mais consistente e abrangente esse paradigma resolvendo os enigmas que este vai colocando à medida que vai sendo alargado na explicação de outros fenómenos. Este período de resolução de enigmas caracteriza-se por ser acrítico, pois não há disposição para pôr em causa as metodologias de trabalho que foram aceites, assim como os princípios e a validade das teorias, Kuhn chama-lhe um Período de Ciência Normal. Com o desenvolvimento teórico e prático do Paradigma vão surgindo anomalias que se vão acumulando até pôr em causa a atividade que está a ser feita, entra-se numa crise em que a descrença em relação ao modelo seguido leva ao seu abandono e começam a surgir novas teorias concorrentes que explicam as anomalias anteriormente irresolúveis.. Neste período, denominado Ciência Extraordinária, a comunidade científica tem de escolher uma teoria que pela sua abrangência, simplicidade, precisão, consistência e fecundidade, assim como o prestígio do cientista que a apresenta, possa ser unificadora da comunidade e possa constituir um novo Paradigma. Quando isso acontece dá-se uma revolução científica, isto é: a substituição de um Paradigma por outro.

3. Esta obra de Banski pode ser considerada uma obra de arte porque satisfaz os critérios que definem uma obra de arte, segundo as teorias da arte como imitação ou representação, a arte como expressão e a arte como forma significante.
Primeiramente representa uma criança de forma fiel pois facilmente se identifica a realidade que trata a pintura, trata-se de representar uma criança entre furiosa e triste, com alguma coisa que a perturba. Também expressa  o sentimento de indignação do artista perante o estado do mundo estar até na infância dependente das relações com uma máquina e com as redes sociais e a comunicação que é feita a partir desta. Essa indignação é clara e está presente na forma como o rapaz transmite a sua angústia e a sua frustração por não ter “Gostos” nem amigos nem mensagens. Pode ainda ser interpretado como uma falta de comunicação geral na sua vida, uma espécie de vazio comunicacional. Por fim, poderemos falar na emoção estética que estas formas nos podem transmitir, como se a criança sobressaísse na parede rugosa também ela presa nessa cidade onde não há nenhum vestígio de humanidade.

4. O conceito de arte é um conceito em aberto porque nenhuma definição pode adequar-se à pluralidade de géneros e de obras que são consideradas arte, daí que todas as definições são incompletas porque não se aplicam a toda a arte mas apenas a algumas obras, deixando de fora outras que são igualmente arte mas que não podem ser vistas á luz de um determinado conceito. Assim, a teoria de arte como representação tem como objeção, o facto de não sabermos se a obra representa bem ou não objetos inexistentes próprios da imaginação, assim como não sabemos se a arte abstrata representa alguma coisa, parece que não representa nada. No entanto ninguém pode negar que a arte abstrata seja arte. No caso da teoria de arte como expressão, não podemos saber os sentimentos do artista se este já morreu e também não podemos falar em sentimentos no caso de arte abstrata ou no caso do artista fingir sentimentos que não possui (cínico). Em relação à forma significante há duas objeções fortes, embora esta teoria se possa adaptar a todo o tipo de obras, desde a arquitetura, música fica por explicar o que é uma forma significante, os seus defensores afirmarão que é a forma que produz uma emoção estética, mas se perguntarmos o que é uma emoção estética os autores responderão que é a forma significante que algumas obras revelam, este raciocínio é uma petição de princípio e, como tal, não é válido. Há ainda outra objeção que é o caso de podermos não sentir emoção estética por obras que são de arte sem qualquer dúvida, a sensibilidade do público pode não estar apta a deixar-se envolver esteticamente por uma obra como a Mona Lisa e, no entanto é inquestionável que se trata de uma obra de arte.

terça-feira, 26 de março de 2019

Correcção do exercício de revisões.


Tema: O conhecimento científico.

1. Falso.( A linguagem não é a única característica que distingue o senso comum do conhecimento científico, há outras como o método, o sistema, a crítica, a evolução)
2. Verdadeiro.
3. Verdadeiro.
4. Verdadeiro.
5. Verdadeiro.
6. Falso. (O "defeito" do critério de verificabilidade é que não serve para descrever uma lei científica. Como uma lei é universal é impossível verificar empiricamente todos os casos)
7. Falso. (A experiência é limitada logo, não podemos verificar empiricamente uma afirmação universal)
8. Demarcação.
9. Falso. (A Psicanálise não é uma ciência mas uma pseudociência).
10. Verdadeiro.
11. Falso. ( A investigação científica começa com um facto problema a partir do qual se coloca uma hipótese de explicação da qual se deduzem consequências empíricas que irão ser testadas)
12. Falso. (O método indutivo parte da observação de casos particulares , dos quais se retira um padrão comum que depois se generaliza para todos. Exemplo: Estes cisnes observados são brancos, logo, todos os cisnes são brancos).
13. Verdadeiro.
14. Falso. ( Parte de um facto/problema e de uma hipótese teórica)
15. Verdadeiro.
16. Verdadeiro.
17. Verdadeiro.
18. Verdadeiro.
19. Falso. ( A revolução científica consiste na mudança de paradigma científico por parte da comunidade científica)
20. Verdadeiro.

terça-feira, 19 de março de 2019

Matriz para o teste de 27 de Março de 2019


Pintura contemporânea Mark Rothko

Estrutura:

Prova para 90m
Texto. Referência ao texto.
Quatro perguntas de construção. 4x30 =120 Pontos 
16 perguntas de seleção: Escolha múltipla. 16x5=80 Pontos
Conteúdos/Competências específicas: 
1. Relacionar e distinguir a ciência e senso comum. Aspetos em comum e aspetos distintos.
2. Explicar em que consiste o método indutivo e o método hipotético e/ou dedutivo.
3. Expor as objeões de Karl Popper ao método indutivo.
4. Enunciar o problema da indução.
5. A proposta da filosofia das ciências de Popper: O falsificacionismo.
a. Esclarecer o significado da proposição: "a ciência progride por conjeturas e refutações"
b. Explicar os dois critérios para demarcar ciência e pseudociência: verificacionismo e falsificacionismo.
c. Identificar os enunciados científicos e não científicos segundo estes dois critérios.
2.b. Distinguir o método falsificacionista do método verificacionista
6. A racionalidade científica. A questão da objetividade.
6.a. Contrastar duas posições (de Popper e Kuhn) sobre a objetividade da ciência.
6.b. Problematizar a evolução contínua ou descontínua da ciência utilizando as teorias de Popper e Kuhn.
6.c. Tomar uma posição crítica em relação ao problema e argumentar a favor de uma das posições.
7.A proposta da filosofia das ciências de  Thomas Kuhn.
7.a. Apresentar os critérios de escolha de uma teoria científica.
7.b. Demonstrar o procedimento habitual da ciência: Paradigma 1; Ciência normal; Enigma; Anomalia; Crise; Ciência Extraordinária; Revolução científica; Paradigma 2
7.c. Justificar a noção de incomensurabilidade dos paradigmas.
7.d. Definir o paradigma e a sua importância na história da ciência.
8. Teorias sobre a Arte.
a.  Compreender as teses e vantagens de cada uma das teorias sobre a Arte: Teoria da Imitação/Representação; Teoria da Expressão; Teoria Formalista ou da Forma significante.
b. Contrapor objecções a cada uma das teorias.
c. Interpretar uma obra segundo um destes critérios.
d. Avaliar, com argumentos, a melhor teoria.

Matéria de Revisões:
Descartes: As etapas do método, a dúvida metódica e as primeiras verdades evidentes. 

Competências Gerais:
Dominar os conhecimentos exigidos.
Compreender as várias regras e aplica-las. de forma correta.
Expor de forma clara e objetiva o pensamento.
Aplicar os conhecimentos adquiridos a novas situações.
Avaliar e identificar os argumentos e teses (conclusão) dos textos.
Justificar com razões fortes as afirmações proferidas.
Escrever corretamente.

 Critérios de correção:
Apresentar os conteúdos considerados relevantes de forma completa
Apresentar esses conteúdos de forma clara, articulada e coerente;
Evidenciar uma utilização adequada da terminologia filosófica;
Evidenciar a interpretação adequada dos documentos apresentados
Evidenciar capacidade de argumentação e de crítica.


-


segunda-feira, 18 de março de 2019

quarta-feira, 13 de março de 2019

Texto para resumo Miguel Pop 11D

O que é a arte?
Definir a Arte é uma das questões mais complicadas para a Filosofia. Uma definição absoluta ou de caráter universal da Arte é o que os pensadores da Estética e da Filosofia da Arte vêm tentando desenvolver, porque isso implica, também, numa possível essência da Arte, a qual foi questionada bastante pelo filósofo Immanuel Kant.
A falta dessa definição pode inviabilizar o que pode ser Arte ou não e o que pode ser uma boa Arte ou não. Implicará também quais métodos seguir para ser um artista de fato. É a tentativa de formalizar os trabalhos artísticos.
E se já possui como “costume intelectual” um pensamento que, ao passar do tempo e com a experiência de gerações e mais gerações, a partir de uma definição sobre um determinado objeto de estudo, este vai se tornando mais sólido e mais claro, como um axioma à lá cartesiano, no sentido de que seria um instrumento que bem manejado levaria o homem à verdade ou, pelo menos, à aceitação de um conceito universal, na Arte isso tudo se inverte, pois uma teoria realmente aceitável sobre ela demonstra estar cada vez mais longe se comparando no tempo de Platão. A cada momento, a cada movimento artístico, novas teorias são criadas e se distanciam do que se esperava ser a Arte.
Seguindo essa lógica, não é fácil encontrar uma teoria correta da Arte, como se fosse encontrar uma teoria correta da Física, como a Relatividade de Albert Einstein. Não que a Relatividade seja fácil de ser encontrada, mas que ao passar do tempo ela se solidifica, se complementa com novos estudos ou persiste por muito tempo antes de ser derrubada por outra conjectura, o que não acontece normalmente no mundo artístico, pois sempre há insuficiência das teorias neste mundo.
Porém, essa toda dificuldade de definir a arte é devido ao uso de uma lógica predominantemente ocidental. Weitz (1956, p.2) diz que “a arte, tal como a lógica do conceito mostra, não tem nenhum conjunto de propriedades necessárias e suficientes; logo, uma teoria acerca dela é logicamente impossível e não apenas factualmente impossível”. Ou seja, a lógica predominante, a razão ocidental, não pode criticar a arte diretamente, pois a sua linguagem é conceitual e a linguagem artística não é conceitual. A experiência artística é transgressiva com a linguagem conceitual, onde esta linguagem é característica da lógica formal ou da razão dominante ocidental.
Weitz (1956, p.2) diz que “a teoria estética -- toda ela -- está errada em princípio ao pensar que uma teoria correta é possível uma vez que adultera radicalmente a lógica do conceito de arte. É falsa a sua principal contenda de que a 'arte' é susceptível de uma definição real ou de outro tipo de definição verdadeira”.
A arte, tal como a lógica do conceito mostra, não tem nenhum conjunto de propriedades necessárias e suficientes; logo, uma teoria acerca dela é logicamente impossível e não apenas factualmente impossível.

terça-feira, 12 de março de 2019

Texto para resumo. Fábio 11D e Júlio 11E



Marc Chagall

Agora examinemos brevemente algumas das mais famosas teorias estéticas existentes, de modo a ver se elas de fato incorporam afirmações corretas e adequadas acerca da natureza da arte.
Segundo Weitz (1956), para começar, considere uma versão famosa da teoria formalista, a qual foi proposta por Bell e Fry. É verdade que eles falam, sobretudo, da pintura nos seus escritos, mas ambos afirmam que aquilo que eles encontram nessa forma de arte pode ser generalizado para aquilo que é "arte" nas outras formas de arte. A essência da pintura, defendem eles, é a relação entre os elementos plásticos. A sua propriedade definidora é a forma significante, isto é, certas combinações entre as linhas, as cores, as formas e os volumes -- tudo aquilo que se encontra na tela exceto os elementos representacionais -- que evocam uma reação peculiar a tais combinações. A pintura é definível como organização plástica. A natureza da arte, aquilo que ela realmente é, afirma esta teoria, é uma combinação única de certos elementos (os elementos plásticos especificados) e das suas relações. Tudo aquilo que é arte é uma instância de forma significante; e tudo aquilo que não é arte não possui tal forma.
Mas as suas dificuldades também são enormes: o problema é conseguir explicar de maneira convincente em que consiste a tal propriedade comum a todas as obras de arte, a tal “forma significante”, responsável pelas emoções estéticas que experimentamos. Clive Bell refere, pensando também no caso da pintura, que a forma significante reside numa certa combinação de linhas e cores. Mas que combinação é essa e que cores são essas exatamente? E em que consiste a forma significante na música, na literatura, no teatro etc.? A ideia que fica é que a forma significante não serve para identificar nada.
Já os emocionalistas dizem que a verdadeira propriedade essencial da arte foi deixada de lado. Tolstoy, Ducasse ou qualquer outro dos defensores desta teoria, acham que a propriedade definidora requerida não é a forma significante, dita pelos formalista, mas antes a expressão das emoções num qualquer meio público sensual. Sem a projeção das emoções num qualquer pedaço de pedra ou num qualquer pedaço de madeira ou em certos sons, etc., não pode haver arte.
Mas, podemos mostrar que algumas pessoas não sentem qualquer tipo de emoção perante certas obras que são consideradas arte. Quer dizer que essas obras podem ser arte para uns e não o ser para outros? Nesse caso o critério para diferenciar as obras de arte das outras de que serviria? Teríamos, então, obras de arte que não são obras de arte, o que não faz sentido. Também não é grande ideia responder que quem não sente emoções estéticas em relação a determinadas obras não é uma pessoa sensível, como sugere Bell, o que parece uma inaceitável fuga às dificuldades.
Todas as teorias apresentadas aqui e mais outras que não deram para ser citadas são inadequadas em diferentes aspectos. Todas elas pretendem fornecer uma descrição completa das características definidoras das obras de arte e, contudo, cada uma delas deixa de lado algo que as outras tomavam como central.
Segundo Weitz, existe, além disso, um tipo diferente de dificuldade. Como definições reais este tipo de teorias deviam fornecer informações factuais sobre a arte. E se isto for verdade, podemos perguntar se serão elas teorias empíricas e abertas à verificação ou falsificação. Por exemplo, o que é que confirmaria ou infirmaria a teoria de que a arte é forma significante ou a personificação das emoções ou a síntese criativa de imagens? Parece nem sequer haver a mais pequena sugestão sobre que tipo de dados poderia testar estas teorias; e de fato, perguntamo-nos se elas não serão talvez definições honrosa de "arte", isto é, propostas de redefinição do conceito de arte de modo a aplicá-lo em função de certas condições escolhidas, e não informações verdadeiras ou falsas acerca das propriedades essenciais da arte.
Weitz (1956, p.6) defende também que um conceito de arte é aberto:
Assim, aquilo que estou a defender é que o próprio caráter expansivo e empreendedor da arte, as suas sempre presentes mudanças e novas criações, torna logicamente impossível garantir um qualquer conjunto de propriedades definidoras.

 Publicado em artes e ideias por

quarta-feira, 6 de março de 2019

domingo, 3 de março de 2019

TEXTO PARA RESUMO - Kevin Romero - 11D

Thomas Kuhn e Che Guevara

[...A] «ciência normal» refere-se à investigação firmemente baseada numa ou mais realizações científicas passadas, realizações essas que uma certa comunidade científica reconhece por um tempo como base do trabalho que realiza. Essas realizações aparecem hoje em dia descritas nos manuais científicos, sejam eles elementares ou avançados, embora raramente na sua forma original. Estes manuais expõem o corpo teórico aceite, exemplificam muitas ou todas as suas aplicações bem-sucedidas e comparam estas aplicações com observações e experiências científicas exemplares. Antes de estes livros se tornarem populares no início do século XIX (e mais recentemente nas ciências que atingiram a maturidade mais tarde), muitos dos clássicos famosos da ciência desempenhavam uma função semelhante. A Física de Aristótles, o Almagesto de Ptolomeu, os Principia e a Óptica de Newton, a Electricidade de Franklin, a Química de Lavoisier e a Geologia de Lyell – estas e muitas outras obras serviram durante um tempo para definir implicitamente os problemas e métodos legítimos dentro de um campo de pesquisa para as gerações subsequentes de investigadores. Estas obras desempenharam este papel porque tinham em comum duas características essenciais. A realização científica que representavam era suficientemente inovadora para atrair um grupo de aderentes estável, afastando-os de formas rivais de actividade científica. Simultaneamente, eram de tal modo indefinidas que uma grande variedade de problemas eram deixados em aberto, ficando o grupo de investigadores que entretanto se reorganizara com a tarefa de procurar resolvê-los. 

Referir-me-ei daqui em diante às realizações científicas que partilham estas duas características como «paradigmas», um termo muito próximo de «ciência normal». Ao escolhê-lo, quis sugerir que alguns exemplos aceites de prática científica concreta – exemplos que reúnem leis, teorias, aplicações e instrumentos – fornecem modelos que dão lugar a uma determinada tradição de investigação científica coerente. Falo das tradições que os historiadores descrevem sob rubricas como «astronomia ptolomaica» (ou «coperniciana»), «dinâmica aristotélica» (ou «newtoniana»), «óptica corpuscular» (ou «óptica ondulatória»), e assim por diante. O estudo dos paradigmas, incluindo muitos que são bastante menos especializados do que aqueles a que me referi acima, é aquilo que prepara fundamentalmente o estudante para se tornar membro da comunidade científica no seio da qual exercerá a sua prática. Pelo facto de se associar a homens que aprenderam as bases do seu campo de trabalho com os mesmos modelos, a sua prática subsequente dificilmente suscitará discordância aberta sobre questões fundamentais. Os homens cuja investigação se baseia em paradigmas partilhados empenham-se em seguir as mesmas regras e critérios de prática científica. Esse comprometimento e o consenso aparente que ele produz são requisitos da ciência normal, isto é, do nascimento e continuação de uma determinada tradição de estudo científico. 

Thomas S. Khun, A estrutura das revoluções científicas (Lisboa, Guerra e Paz, 2009), pp. 31-32.

Texto para resumo - Guilherme Brigolas -- 11E

Caverna de Chauvet, arte pré-histórica com 36.000 anos

(...) É antes de mais, necessário deixar de considerar (a arte) um meio para o prazer e considerá-la uma das condições da vida humana. Vista deste modo, é impossível deixar de reparar que a arte é um dos meios das pessoas se relacionarem.

Toda a arte faz aquele que a aprecia entrar num certo tipo de relação, quer com aquele que a produziu ou está produzindo, quer com todos aqueles que simultânea, prévia ou posteriormente, recebem a mesma impressão artística.

Tal como as palavras, que ao transmitir pensamentos e experiências das pessoas, servem como um meio de união entre elas, também a arte atua de forma semelhante. A particularidade desta última forma de relacionamento, e que a distingue do tipo de relacionamento por meio de palavras, consiste nisto: enquanto por meio de palavras uma pessoa transmite a outra os seus pensamentos, pela arte transmite as suas emoções.
(...)
A arte é uma atividade humana que consiste nisto: em uma pessoa conscientemente, por intermédio de certos sinais externos, levar a outras pessoas a sentimentos de que teve experiência e que estas sejam contagiadas por tais sentimentos e deles também tenham experiência.
A arte não é, como os metafísicos dizem, a manifestação de alguma ideia misteriosa de belo ou de Deus ; não é, como os psicólogos estéticos dizem, um jogo que serve para descarregar o excesso de energia acumulada; não é apenas a expressão das emoções de uma pessoa através de sinais externos; não é a produção de objetos que agradem; e acima de tudo, não é prazer; mas é um meio de união entre pessoas, unindo-as nos mesmo sentimentos, indispensável à vida e ao progresso em direção ao bem-estar dos indivíduos e da humanidade. (…)
Os sentimentos com que o artista contagia os outros podem ser os mais variados -muito fortes ou muito fracos, muito importantes ou muito insignificantes, muito maus ou muito bons: sentimentos de amor pelo seu próprio país, de entrega e submissão ao destino ou a Deus expressos numa peça dramática, arrebatamentos de amantes descritos numa novela, sentimentos de volúpia expressos num quadro, coragem expressa numa marcha triunfal, felicidade evocada numa dança, humor evocado numa história divertida, o sentimento de serenidade transmitido por uma paisagem ou por uma canção de embalar, ou o sentimento de admiração evocado por um belo arabesco - tudo isso é arte.
Desde que os espectadores ou ouvintes sejam contagiados pelos mesmos sentimentos que o autor sentiu, há arte."

Leão Tolstoi, O que é a Arte.Leão Tolstoi, O que é a arte?
Tradução de Aires de Almeida